RELAÇÕES DE PODER E MILITARISMO EM A CIDADE E OS CACHORROS, DE MARIO VARGAS LLOSA

Janara Laíza de Almeida Soares

Resumo


O presente artigo objetiva analisar as relações de poder no primeiro livro de Vargas Llosa, A cidade e os cachorros, publicado em 1962. O romance mostra o difícil processo de vivência de estudantes no Colégio Militar Leoncio Prado, em Lima. A partir de um violento código de conduta e em um ambiente hostil e brutal, os abusos das autoridades com os estudantes vão se reproduzir na relação entre eles, com os mais velhos humilhando os novatos e alimentando o círculo de crueldade. Assim, para rechaçar as ameaças dos veteranos, os estudantes mais novos criam um grupo chamado Círculo. Esse livro mostra experiências vividas pelo próprio autor que, evocando as memórias de quando estudava no Colégio Militar Leoncio Prado, constrói uma narrativa a partir de vários pontos de vista, explorando as relações de poder e abusos impostos pela conduta militar, contra os quais vai lutar tanto em sua vida pessoal quanto em sua obra literária.


Palavras-chave


Literatura Latino-Americana. Mario Vargas Llosa. Militarismo. Relações de poder. A cidade e os cachorros.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Ribanceira

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

<a rel="license" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/"><img alt="Licença Creative Commons" style="border-width:0" src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc/4.0/88x31.png" /></a><br />Este trabalho está licenciado com uma Licença <a rel="license" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/">Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional</a>.