PARRESÍA: O CINISMO COMO VIDA POLíTICA E FILOSÓFICA NO LIMITE DA SOCIEDADE

Jorbeson Oliveira Wanzeler

Resumo


A presente proposta de comunicação oral consiste em dar um voo esquemático na noção foucaultiana de parresía
como um dizer-a-verdade escandaloso, radical que tenciona a relação entre bios e logos, práticas de vida e discurso
verdadeiro, que desse modo transvalora a filosofia como campo do discurso técnico (tékhne) para sua relação mais
imediata com a ética (éthos). Vê-se a partir de Foucault, o cínico como um parresiasta, aquele que possui fala franca,
que na escandalização da verdade, critica efetivamente os costumes, instituições e modos de vida da sociedade.
Desse modo, perceber como a pratica da parresía instaura um dizer a verdade que procura a transformação do éthos
de seu interlocutor, ao mesmo tempo em que, se mostra como um risco para o locutor, a partir fala franca em um
locus especifico, diferente do locus geral e aberto, que a filosofia praticou na história. Que se distingue do dizer a
verdade do ensino, da profecia e da sabedoria. Assim, procurar uma nova noção do cinismo, que faz da filosofia a
vida como teatro da verdade.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.