ENRIQUE DUSSEL, LEITOR DE HEGEL: UMA CRÍTICA À RAZÃO DIALÉTICA E UMA PROPOSTA DE RAZÃO ANALÉTICA.

Henrique de Moraes Junior

Resumo


O artigo tematiza a Filosofia da Libertação de Enrique Dussel, com o objetivo de refletir sobre a articulação entre
modernidade, paradigma eurocêntrico e paradigma mundial. Nesse sentido, o artigo desenvolve a discussão sobre
racionalidade e irracionalidade da modernidade (mito da modernidade) e a sua transmodernidade (superação), pois
guarda relação direta com a questão do método dialético negativo com negação da alteridade no sistema filosófico
hegeliano de totalidade eurocêntrica e aponta o movimento analético como superação, ampliação e libertação do
método dialético negativo. Infere-se, Dussel ao colocar em questão a suposta superioridade do paradigma moderno
eurocêntrico pelo paradigma mundial como sistema-mundo e o mito da modernidade civilizatória dos bárbaros
(outros), sendo superado na transmodernidade, no qual o Outro plural e distinto com igualdades ontológicas,
epistemológicas, políticas e culturais. Critica a dialética de Hegel como método filosófico que nega e elimina o
Outro em ser, tendo como referência o mesmo na totalidade e propõe o método analético como libertação da
negação do Outro na totalidade, por meio do qual reconhece e legitima o outro como ser ontológico, epistemológico
e cultural. Neste estudo a revisão bibliográfica é a estratégia metodológica utilizada.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.