O PROBLEMA DO DISCURSO IRÔNICO NA OBRA "UTOPIA" DE THOMAS MORE

Vinícius Souza Palheta Dos Santos

Resumo


Este artigo cientifico é resultante de uma pesquisa teórico-bibliográfica e analisa a concepção de Utopia na Obra de"Thomas More, escrita em latim por volta de 1516. O termo "Utopia" foi inventado por More e usado por diversos"pensadores (Em especial: Fernando De Mello Moser (1927-1984) e Ivan Monteiro de Barros Lins (1904-1975)"ambos utilizados como referência neste presente artigo.), nela exemplifica a sua ideia de sociedade perfeita. Embora"essencialmente a palavra tenha significado de civilização ideal, imaginária e irrealizável, a "Utopia" de More"modificou o pensamento político, econômico, social e religioso moderno, assim como conduziu à novas concepções"sobre o termo. No presente artigo é apresentado a Ironia escondida no Livro I da Obra (Discurso do notável Rafael"Hitlodeu sobre a melhor das repúblicas, registrado pelo ilustre Thomas More, cidadão e vice-xerife da gloriosa"cidade de Londres), onde a partir do diálogo dos personagens é possível visualizar uma relação intima do"pensamento de More em Hitlodeu. Ao analisar a Obra de Thomas More a Utopia ganha caráter de fonte"transformadora da realidade, na qual sua ideia impulsionou vários intelectuais, tomando para eles a Utopia como"modelo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.