O DIÁLOGO EM GADAMER E A EDUCAÇÃO PARA A AUTONOMIA

Francisco Bezerra da Silva Neto, Cezar Luís Seibt

Resumo


Tanto a LDB 9394/2006 quanto a DCNEM rezam que um dos objetivos da educação é a formação para a cidadania, por meio do desenvolvimento de habilidades e competências, dentre as quais constam o senso crítico e a autonomia. Esse objetivo é incompatível com os modelos de educação pautados na técnica e na tradição monológica. Portanto, o problema que norteia esse texto é o seguinte: é possível uma prática educativa que que estimule e encoraje a autonomia do educando? Se sim, sob que bases ela se funda? Partimos do pressuposto de que é possível educar para a cidadania quando as práticas educacionais respeitam, estimulam, promovem e encorajam a autonomia do educando. Esta, por sua vez, só é possível em uma relação pedagógica em que há o respeito entre educador e educando, ambos sujeitos e não meros coadjuvantes. Entendemos que a postura dialógica da hermenêutica fenomenológica e o clima de respeito mútuo que ela propicia, seja capaz de contribuir para a formação do homem integral e com o desenvolvimento da autonomia, essencial para o exercício da vida cidadã.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Eletrônico: 2237-0315              ISSN Impresso: 1981-9269

This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Brasil License

Licença Creative Commons