NEUROLIGA


A Liga Acadêmica de Neurociências de Marabá (“NeuroLiga/Marabá”) foi fundada em 21 de Março de 2014 em resposta a um estímulo dos professores coordenadores durante a I Semana do Cérebro de Marabá. Oportunamente, criou-se um Estatuto que rege seus princípios e organização, e duas atividades-piloto foram realizadas no ano de 2014: um grupo de estudos de neurociências e a I Oficina de Neurociências da NeuroLiga, tendo como tema o sistema visual. A proposta levantada pelos discentes é de uma sociedade civil de duração ilimitada, não-religiosa, sem fins político-partidários e sem intuitos lucrativos.

O Programa de Extensão “NeuroLiga – Liga Acadêmica de Neurociências de Marabá” propõe abordar achados experimentais e elementos teóricos das Neurociências nas suas relações com a saúde mental e com a sociedade, através da realização de atividades (grupos de estudos, cursos introdutórios, e organização de eventos de divulgação científica), com o objetivo de fundamentar um processo educativo, cultural, científico e político, de caráter interdisciplinar e interprofissional, calcado na interação dialógica e na indissociabilidade ensino-pesquisaextensão. Espera-se que as ações propostas promovam interação transformadora entre a Universidade e a área da saúde mental, promovendo práticas inovadoras nesse campo. Para tanto, busca-se associar os diferentes objetos de pesquisa no campo das Neurociências com problemas socialmente relevantes, como questões relativas à drogadição e aos transtornos mentais, fazendo com que a produção do conhecimento obtidos através das atividades de ensino e pesquisa retornem ao grupo social mais interessado nessas questões. Essas ações pressupõe uma interação dialógica, na medida em que a participação dos atores sociais em uma ação do Programa contribui para a produção de conhecimento significativo a partir das práticas cotidianas desses atores.

A Liga Academica de Neurociências de Marabá, nesse sentido, buscará desenvolver atividades/projetos extensionistas calcados no âmbito interdisciplinar do estudo do cérebro, pautado pelas necessidades e demandas dos grupos sociais e instituições aos quais se alia, sustentando pelas discussões e conhecimentos construídos em grupos de estudo, oferecendo cursos de extensão e atualização para os profissionais aliados, e gerando atividades de pesquisa a partir dessas demandas.